Logo Principal
Saúde

Regionais de Saúde devem intensificar ações pela vacinação contra a pólio

Recomendação do secretário estadual da Saúde é para que regionais atuem junto aos municípios que estejam com cobertura abaixo do preconizado. Campanha de vacinação se encerra segunda-feira.

28/11/2020 10h06
Por: Redação
Fonte: AEN
Divulgação
Divulgação

A Secretaria de Estado da Saúde realizou nesta sexta-feira (27) uma webconferência com diretores das regionais do órgão recomendando intensificação das ações em prol da vacinação contra a Poliomielite junto aos municípios que apresentam índices de cobertura abaixo do que é preconizado pelo Ministério da Saúde.

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite termina na segunda-feira (30.11) e para alcançar a cobertura indicada pelo Ministério o Paraná ainda precisa imunizar cerca de 100 mil crianças na faixa de 12 meses a menores de 5 anos de idade. A população total estimada nesta faixa é de 583.962 crianças e até o momento o Estado atingiu nesta campanha nacional a cobertura de 78,07%.

Participaram do encontro os diretores das Regionais de Saúde e profissionais que atuam na Vigilância de Paranaguá, Ponta Grossa, Guarapuava, União da Vitória, Maringá, Londrina e Região Metropolitana de Curitiba.

“Nesta reta final da campanha, recomendamos um esforço redobrado dos gestores e das secretarias municipais de saúde para que promovam ações de vacinação contra a pólio, cumprindo os protocolos de segurança da Covid-19 e realizando, principalmente, as atividades de busca ativa pelas crianças que ainda não foram imunizadas”, recomendou o secretário Beto Preto.

No Paraná, a Campanha de Vacinação contra a Poliomielite começou no dia 28 de setembro, uma semana antes da ação nacional. No final da primeira quinzena de setembro, todos os municípios estavam abastecidos com as doses da vacina.

“ A Secretaria da Saúde recomenda, ainda, que pais e responsáveis fiquem atentos às carteirinhas de vacinação dos filhos protegendo as crianças contra a paralisia infantil e contra outras doenças graves para as quais temos vacinas disponibilizadas gratuitamente na rede de saúde”, disse Beto Preto.

“Muitas vezes, pelo fato de estarmos há 34 anos sem registrar casos, a vacinação contra a pólio pode ser considerada tema do passado. Mas isso é o primeiro passo para um precipício, ou seja, a falta da imunização pode provocar o retorno da doença. Tivemos recentemente o exemplo com o sarampo, doença grave e contagiosa que voltou a registrar casos. Por isso, não podemos deixar lacunas na cobertura vacinal”, ressaltou.

PANDEMIA - Mesmo diante da pandemia da Covid-19 a população não deve deixar de buscar pela atualização da caderneta de vacinação. “A situação crítica que vivemos hoje na saúde pública não tem precedentes e, somado a isso, estão as fake news espalhando inverdades. Nosso dever é alertar sobre a importância de se estar imunizado com as vacinas disponíveis, enquanto aguardamos a vacina contra o cornavírus”.

AÇÃO – Alguns municípios organizaram ações de vacinação contra a pólio neste sábado, dia 28. Em Paranaguá, todas as unidades de saúde estarão abertas, das 8h às 17h e, em Londrina, no mesmo horário, estarão funcionando cinco pontos, nas UBS Aquiles Stenghel, Jardim Piza, Marabá e Alvorada e no CMEI Valéria Veronesi.

Mesmo com o encerramento do período da campanha, o Sistema Nacional de Informações do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde seguirá aberto para o registro de doses até o dia 20 de dezembro.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias